Sobre o Autor

Pois é, a coisa acontece meio que naturalmente. Acredito que todo caricaturista começou da mesma maneira. Desde cedo eu já aterrorizava meus professores (para o deleite dos meus colegas) fazendo caricaturas mostrando eles nas situações mais absurdas. É claro que os professores eram sempre os últimos a ver, era o maior sucesso!




Sempre tive muita facilidade pra desenhar, a medida que o tempo passou fui aprimorando a técnica. Quando notei que meus desenhos quase sempre eram roubados nas exposições da escola concluí que eles deveriam ser bons mesmo...
Um belo dia me deparei com uma publicação que trazia caricaturas feitas pela santíssima trindade da caricatura francesa, Morchoisne, Patrice Ricord e Mulatier, e foi como um soco no estômago: era aquilo que eu queria fazer!

Anos depois, resolvi oferecer meus serviços para um jornal e para minha surpresa eles gostaram e ainda me contrataram! Passado mais algum tempo e ainda havia um desafio: desenhar as pessoas ao vivo na frente de todo mundo e em poucos minutos. Me enchi de coragem e fui trabalhar numa feira de artesanato. Quando vi que havia uma fila formada fiquei mais tranquilo e fui adiante!
Trabalhar com o público é sempre bastante divertido. Sempre que me perguntam alguma coisa engraçada que tenha me acontecido no meu trabalho de caricaturista (vive acontecendo por sinal), a primeira coisa que lembro é de um episódio em que eu estava trabalhando numa boate , quando no final da noite apareceu um cara totalmente bêbado querendo ser desenhado. Tive que aturar várias “ameaças” enquanto o desenho era aprontado mas o indivíduo só chegou a ver o resultado final bem depois, pois havia desmaiado!!! E com a cabeça em cima da minha mesa! Bem, pelo menos um amigo dele pagou o serviço.
Outra inacreditável foi numa festa de casamento, quando eu anunciei que já estava encerrando minha participação, uma moça parecendo estar um pouquinho.. um pouquinho não, BEM alcoolizada ficou inconformada e seqüestrou seu material de trabalho (estojo) sumindo no meio da festa! Lá fui eu tentar achar a menina! Após muita negociação ela acabou me devolvendo...
Numa boate, duas garotas viram meu trabalho exposto num painel e uma delas disse: “ Olha só! Vamos fazer?” e a outra respondeu: “ Eu não, eu tenho medo dessas coisas!”
Certa vez fui desenhar uma turma inteira de uma escola para uma camiseta. Uma das alunas, que tinha um cabelo bem volumoso, surpreendeu a todos trazendo para a aula um shampoo e um condicionador, os quais levou pro banheiro antes de posar.
Apesar de tudo, o bom humor sobrevive! É preciso levar a vida menos a sério e saber rir de si mesmo é um bom começo, bastante saudável para a auto estima digamos assim...
Uma frase fantástica que eu nunca mais vou esquecer foi de um menino que estava posando pra mim: “Quando ele olha pra gente e vai riscando, parece que está tocando no meu rosto”.